Defaced stah :) Convergências dos campos urbano e ambiental em propostas conceituais que visam a sustentabilidade urbana: avanços e desafios | Rodrigues Tão | Revista Thésis

Convergências dos campos urbano e ambiental em propostas conceituais que visam a sustentabilidade urbana: avanços e desafios

Nícolas Guerra Rodrigues Tão, Alexandre da Silva Faustino, Ricardo Siloto da Silva, Renata Bovo Peres

Resumo

Fruto da aproximação entre as ciências ambientais e urbanas, surgem novas abordagens teóricas que mesclam conceitos de ambas estas áreas. As tentativas de interdisciplinaridade visam a elaboração de diretrizes que respondam de forma mais holística as demandas da população, embasado nas diversas dimensões atribuídas ao desenvolvimento sustentável. Neste sentido, qual ótica pode ser estabelecida sobre o urbanismo que o permita contribuir para a qualidade ambiental das cidades e, consequentemente, para a qualidade de vida humana? E como alguns campos disciplinares e teorias que refletem sobre os processos e fluxos naturais podem trazer alternativas ao cenário urbano que diminuam o afastamento das dimensões ambiental e urbana? Em busca de respostas, o presente artigo propõe uma análise crítica dos conceitos de ecologia urbana e cidades biofílicas, e dos conceitos de urbanismo sustentável e urbanismo ecológico, enquanto propostas que problematizam questões ambientais no cenário urbano, e vice-versa. São estabelecidos paralelos entre os modelos e discutidos possíveis desafios e potencialidades para a inserção das dimensões socioambientais da sustentabilidade no contexto do espaço urbano. Além disso, são colocadas algumas implicações aos projetos urbanos. Para isso, este estudo se propôs a realizar uma investigação de caráter exploratório-descritivo, de natureza teórico-conceitual, com tipologia de procedimento técnico bibliográfica. O produto deste processo é a análise crítica de uma matriz comparativa onde constam as principais influências, conceitos, estratégias, implicações à projetos urbanos, aproximações à sustentabilidade e desafios das abordagens pesquisadas. Evidencia-se que isoladamente eles não são capazes de preencher o vasto campo de problemas que se colocam no espaço urbano, sendo que cada um apresenta níveis variáveis de envolvimento com os diferentes pilares da sustentabilidade. Há que se pensar localmente na melhor apropriação de seus princípios e estratégias, a qual tenderá a ser mais assertiva se oriunda da interlocução entre os conceitos. 


Texto completo:

PDF [PT]

Referências


BEATLEY, T. An Excerpt: Imagining Biophilic Cities. Citygreen. Issue 4, p.162-169, 2012.

BEATLEY, T.; NEWMAN, P. Biophilic Cities Are Sustainable, Resilient Cities. Sustainability. Issue 5, p.3328-3345, 2013.

BLACK, E. Green neighborhood Standards from a planning perspective: the leed for neighborhood development (LEED-ND). Focus, v. 5, iss. 1, 2008.

BRASIL (MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE). Sustentabilidade urbana: impactos do desenvolvimento econômico e suas consequências sobre o processo de urbanização em países emergentes. Textos para as discussões da Rio +20: volume 3, habitação social e sustentabilidade. Brasília: MMA, 2015.

CONLEY, V. A. Práticas urbanas ecológicas: As três ecologias de Félix Guattari In: Mostafavi, Mohsen; Doherty, Gareth (org). Urbanismo ecológico. São Paulo: Gustavo Gili, 2014.

DORERTY, G. O verde é mais que os olhos veem: ecologias do verde em Barein In: MOSTAFAVI, Mohsen; DOHERTY, Gareth (org). Urbanismo ecológico. São Paulo: Gustavo Gili, 2014;

DOWNS, A. Smarth Grown: why do que discuss it more than we do it. Journal of the American Planning Association, v. 71, n. 4, 2005;

DUANY, A. Uma teoria geral do urbanismo ecológico. In: Mostafavi, Mohsen; Doherty, Gareth (org). Urbanismo ecológico. São Paulo: Gustavo Gili, 2014.

FARR, D. Urbanismo Sustentável: desenho urbano com a natureza. Porto Alegre: Bookman, 326 p., 2013.

FORMAM, T. T. R. Ecologia urbana e distribuição da natureza nas regiões urbanas. In: Mostafavi, Mohsen; Doherty, Gareth (org). Urbanismo ecológico. São Paulo, Gustavo Gili, 2014.

GRINDE, B.; PATIL, G. G. Biophilia: does visual contact with nature impact on human well-being? Int. J. Environ. Res Public Health, issue 6, p. 2332–2343, 2009.

KELLERT, S. R.; HEERWAGEN, J.; MADOR, M. Biophilic design: the theory, science and practice of bringing buildings to life. John Wiley & Sons, 2011.

LARA, F. L. Admirável urbanismo novo. Arquitextos, São Paulo, ano 01, n. 009.09, Vitruvius, 2001. Acesso em:

MC DONNELL. Chapter 1. In Niemela, J., Breuste, J. H., Elmqvist, T., Guntenspergen, G., James, P., & McIntyre, N. E. (Org.) Urban ecology: Patterns, processes, and applications. Oxford: Oxford University Press, p. 8, 2011.

MOSTAFAVI, M.. Por que um urbanismo ecológico? Por que agora? In: Mostafavi, Mohsen; Doherty, Gareth (org). Urbanismo ecológico. São Paulo: Gustavo Gili, p.12-53, 2014.

NIEMELA, J.; BREUSTE, J. H.; ELMQVIST, T.; GUNTENSPERGEN, G.; JAMES, P.; MCINTYRE, N. E. Introduction. In.: ______ (Org.), Urban ecology: Patterns, processes, and applications. Oxford: Oxford University Press, p. 1 – 4, 2011.

RIBEIRO, F. P. O new urbanismo e sua influência no Brasil: o caso da “Cidade Universitária Pedra Branca” em Palhoça, SC. Pós, v. 17, n. 28, p. 36 - 56, 2010.

SCHROEPFER, T. Além do LEED, uma avaliação do verde na escala urbana. In: MOSTAFAVI, Mohsen; DOHERTY, Gareth (org). Urbanismo ecológico. São Paulo, Gustavo Gili, 2014.

TAVARES, F.; FERREIRA, G. G. T. Marketing verde: um olhar sobre as tensões entre greenwashing e ecopropaganda na construção do apelo ecológico na comunicação publicitária. Revista Espaço Acadêmico, n. 138, p. 23-31, 2012.

WHITE, R.; STOECKLIN, V. L. Nurturing children’s biophilia: developmentally appropriate environmental education for young children. White Hutchinson Leisure & Leaning group, 2008.

WU, J. Urban ecology and sustainability: the state-of-the-science and future directions. Landscape and Urban Planning, v. 125, p. 209 – 221, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.