Contribuições do conceito e da abordagem de metabolismo urbano para a avaliação do custo das decisões ambientais

Eugenia Aumond Kuhn, Miguel Sattler, Lucas Magnus

Resumo

Intrinsecamente associado ao conceito de ecologia urbana está o de metabolismo urbano, o qual dá origem a pesquisas com o intuito de estimar a interferência dos sistemas urbanos na estabilidade dos fluxos de materiais e energia da biosfera. Ambos os conceitos, originados em meados do século XX, difundiram-se internacionalmente. A partir da revisão bibliográfica em bases de artigos científicos identificaram-se mais de 20 estudos, conduzidos na última década, aplicando a abordagem de metabolismo a municípios e regiões metropolitanas reais. O crescente número de pesquisas se deve à consolidação de planos de ação internacionais para o desenvolvimento sustentável. Apesar da profusão de pesquisas recentes, a maior parte das iniciativas é desenvolvida no contexto europeu, contando, inclusive, com um método padrão a orientá-las. A lacuna de estudos de cidades latino-americanas fomentou a tese de doutorado da primeira autora deste artigo, na qual se realizou a primeira caracterização dos fluxos de materiais associados ao metabolismo de um município brasileiro (caso de Feliz, RS). Para tanto, fez-se um extenso trabalho de identificação e de coleta de dados e o desenvolvimento de procedimentos metodológicos específicos para seu tratamento. O presente artigo tem por objetivo, a partir dos resultados obtidos e dos procedimentos metodológicos desenvolvidos, discutir as potenciais contribuições do conceito e da abordagem de metabolismo urbano para avaliação do custo das decisões ambientais no contexto brasileiro. Espera-se contribuir com o tema através: a) da análise das relações entre ecologia urbana, metabolismo urbano e avaliação de custos ambientais; b) da identificação das atividades de tomada de decisão as quais os resultados obtidos poderiam oferecer suporte; c) da análise das possibilidades e limitações ao se pretender caracterizar o metabolismo de um número maior de municípios brasileiros e d) de uma discussão dos desenvolvimentos futuros neste tema de pesquisa.

Texto completo:

PDF [PT]

Referências


ACSELRAD, H. Discursos da sustentabilidade urbana. Revista brasileira de estudos urbanos e regionais, maio. 1999. v. 1, p. 79–89.

ALBERTI, M. Measuring urban sustainability. Environmental impact assessment review, 1996. v. 16, n. 4–6, p. 381–424.

"AUTOR". 2014.

BAI, X. Industrial ecology and the global impacts of cities. Journal of industrial ecology, Spring2007. 2007. v. 11, n. 2, p. 1–6.

BROTO, V. C.; ALLEN, A.; RAPOPORT, E. Interdisciplinary perspectives on urban metabolism. Journal of industrial ecology, 2012. v. 16, n. 6, p. 851–861.

CIDADE, L. C. F. A questão ambiental urbana: perspectivas de análise. Anais: encontros nacionais da ANPUR, 1 fev. 2012. v. 6, n. 0. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2016.

CONKE, L. S.; FERREIRA, T. L. Urban metabolism: measuring the city’s contribution to sustainable development. Environmental pollution, jul. 2015. v. 202, p. 146–152.

COSTA, H. Desenvolvimento urbano sustentável: uma contradição de termos? Revista brasileira de estudos urbanos e regionais, 1999. v. 2, n. 2, p. 55–71.

DEILMANN, C. Urban metabolism and the surface of the city. Guiding principles for spatial development in Germany. Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg, 2009, p. 1–16.

EUROSTAT. Economy-wide material flow accounts and derived indicators. a methodological guide. Luxembourg: Statistical Office of the European Union, 2001.

FEMIA, A.; FALCITELLI, F. The Anaflumpa project: economy-wide MFA at a local level - the caso of the Italian province of Palermo. In: CONACCOUNT 2008. URBAN METABOLISM: MEASURING THE ECOLOGICAL CITY, 2009, Praga. Anais... Praga: Charles University Environment Center, 2009. p. 408–429.

______; MOLL, S. Use of MFA-related family of tools in environmental policy-making: overview of possibilities, limitations and existing examples of application in practice, working paper p.31. European Environment Agency, Copenhagen.

FERNANDEZ, J.; QUINN, D. Urban metabolism: ecologically sensitive construction for a sustainable New Orleans. Disponível em: .

FISCHER-KOWALSKI, M. Society’s metabolism. Journal of industrial ecology, 1998. v. 2, n. 1, p. 61–78.

IEA ANNEX 31 - ENERGY RELATED ENVIRONMENTAL IMPACT OF BUILDINGS. Environmental framework. [S.l.], 2004. Disponível em: . Acesso em: 1o ago. 2005.

KENNEDY, C.; HOORNWEG, D. Mainstreaming urban metabolism. Journal of industrial ecology, 2012. v. 16, n. 6, p. 780–782.

______; PINCETL, S.; BUNJE, P. The study of urban metabolism and its applications to urban planning and design. Environmental pollution, 2010. v. In Press, Corrected Proof. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2010.

MOTA, S. Planejamento urbano e preservação ambiental. Fortaleza: Edições UFC, 1981.

MUNFORD, L. The city in history: its origins, its transformations, and its prospects. [S.l.]: [s.n.], 1961.

NIZA, S.; ROSADO, L.; FERRÃO, P. Urban metabolism: methodological advances in urban material flow accounting based on Lisbon case study. Journal of industrial ecology, 2009. v. 13, n. 3, p. 384–405.

ROGERS, R.; GUMUCHDJIAN, P. Cidades para um pequeno planeta. 1. ed. São Paulo: Gustavo Gili (BR), 2014.

SILVA, S. Indicadores de sustentabilidade urbana: as perspectivas e as limitações da operacionalização de um referencial sustentável. São Carlos: Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, Universidade Federal de São Carlos, 2000. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana).

UNITED NATIONS ENVIRONMENTAL PROGRAMME. Evaluation of environmental impacts in life cycle assessment. [S.l.], 2003. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2004.

UNITED NATIONS HUMAN SETTLEMENTS PROGRAMME - UN-HABITAT. The habitat agenda. Instanbul: UN-HABITAT, 1996.

WOLMAN, A. The metabolism of cities. Scientific American, 1965. v. 213, p. 179–190.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.