Defaced stah :) A revisão da lei de parcelamento do solo urbano e seu diálogo com a questão ambiental | Gomes | Revista Thésis

A revisão da lei de parcelamento do solo urbano e seu diálogo com a questão ambiental

Ramon Fortunato Gomes, Gabriel Rego, Alice Lima, Nahara Cavalcante

Resumo

O presente estudo aborda a revisão da Lei 6.766/79, nomeada como Projeto de Lei 3.057/00, que trata do parcelamento do solo urbano e avança em questões como a função social da cidade, a sustentabilidade e a regularização fundiária. O trabalho, cujo foco principal é a discussão sobre sustentabilidade urbana, tem como escopo a estrutura da Lei 6.766/79 e do Projeto de Lei 3.057/00, seu histórico de formação, sua contextualização junto aos ideais de parcelamento e uso do solo urbano e sua dinâmica no tempo. Assim, reflete-se sobre a revisão da lei e sua articulação com diferentes elementos e estruturas urbanas: a biodiversidade e os serviços ambientais; as áreas de risco; os cursos d’água; e os conjuntos urbanos tombados no litoral. Ao final, são tecidas recomendações a respeito do assunto problematizado.


Texto completo:

PDF

Referências


ANCONA, A. L. (2002). Direito ambiental, direito de quem? Políticas públicas do meio ambiente na metrópole paulista. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

ANDRADE, R. V. (2001). O processo de produção dos parques e bosques públicos de Curitiba. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

ARAÚJO, S. M. V., & LORENZETTI, M. S. B. (2008). O parcelamento do solo e a responsabilidade territorial urbana. Cadernos Aslegis, (34), 13-38.

BARBER, C. Miller, K. Reid, W. (1992). Estrategia Global Para La Biodiversidad - Guia para Quienes Toman Decisiones. WRI/UICN/PNUMA, Washington, DC.

BONDUKI, N. (2007). O papel do legislativo na formulação da política urbana: conflitos e interesses na tramitação da lei de responsabilidade territorial na Câmara dos Deputados. In: S. Feldman, A. Fernandes (Orgs.), O urbano e o regional no Brasil contemporâneo: mutações, tensões, desafios (pp. 331-348). Salvador: EDUFBA.

BONDUKI, N., & KOURY, A. P. (2007). Das reformas de base ao BNH: as propostas do Seminário de Habitação e Reforma Urbana. Anais do XII ENANPPUR, Belém, PA, 12.

BRASIL. (2005). A convenção sobre diversidade biológica: entendendo e influenciando o processo. Um guia para entender e participar efetivamente da oitava reunião da Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP-8). Produção: Tony Gross. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

BRASIL. (2008). Moção n. 087, de 14 de janeiro de 2008. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Recuperado em 26, novembro, 2015 de http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=549.

CARDOSO, M. (2011). Biodiversidade urbana: seleção e caracterização de indicadores para Lisboa. Dissertação de mestrado, Universidade de Lisboa, Lisboa.

CBD. Convention on Biological Diversity. (1992). The Convention. United Nations. Recuperado em 29, novembro, 2015 de http://www.cbd.int/convention/text/default.shtml.

CENEVIVA, L. L. V. (1994). Loteamentos urbanos e propriedade da terra: evidências coletadas a partir da regularização de loteamentos no município de São Paulo. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

GOUVÊA, D. C., & RIBEIRO, S. B. (2005). Reflexão sobre o processo de revisão da Lei Federal 6766/79. Boletim do IRIB em Revista, 323, 175-185.

LEFF, E. (2003). Pensar a complexidade ambiental. In: E. Leff (Org.). A complexidade ambiental (pp. 15-64). São Paulo: Cortez.

LEONELLI, G. C. V. (2010). A construção da lei federal de parcelamento do solo urbano 6.766: debates e propostas do início do sec. XX a 1979. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

LUZ, E. M. T. (2006). A competência municipal em matéria de proteção ao meio ambiente artificial: o confronto entre o mundo do ser e do dever ser. Jus Navigandi, 10(984). Recuperado em 10, agosto, 2015 de http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/15143-15144-1-PB.htm.

MARICATO, E. (2001). Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis: Vozes.

MARICATO, E. (2011). O impasse da política urbana no Brasil. Petrópolis: Vozes.

MASCARENHAS, M. P. (2012). Projeto de lei de responsabilidade territorial urbana: a construção de um referencial normativo comum em torno do parcelamento do solo urbano e da regularização fundiária sustentável. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MILLENNIUM Ecosystem Assessment. (2005). Ecosystems and human well-being: synthesis. Washington, DC: Island Press.

MUKAI, T. (2000). Direito urbano-ambiental brasileiro. São Paulo: Dialética.

PASTERNAK, S. (2010). Loteamentos irregulares no município de São Paulo: uma avaliação espacial urbanística. Planejamento e Políticas Públicas, (34), 131-170.

SANTOS Junior, O. A. dos, & MONTANDON, D. T. (Orgs.). (2011). Os planos diretores municipais pós-Estatuto da Cidade: balanço crítico e perspectivas. Rio de Janeiro: Letra Capital/Observatório das Cidades/IPPUR/UFRJ.

SPIRN, A. W. (1995). O jardim de granito. São Paulo: Edusp.

SZLAVECZ, K., Paige, W., & STEWARD, P. (2011). Biodiversity on the urban landscape. In: R. P. Cincotta, & L. J. Gorenflo. Human population: its influences on biological diversity (pp. 75-101). Berlin: Springer.

TOMINAGA, L. K., Santoro, J., & AMARAL, R. do (Orgs.). (2009). Desastres naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico. Recuperado em 25 março, 2011, de http://www.igeologico.sp.gov.br /downloads/livros/ Desastres Naturais.pdf.

UNEP. United Nations Environment Programme. (2005). Urban biodiversity. Recuperado em 27, novembro, 2015 de http://www.unep.org/urban_environment/issues/biodiversity.asp.

WILSON, E. O., & PETER, F. M. (Eds.). (1988). In BioDiversity. Washington: National Academy Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.