pt | es | en

Thésis [Edição 04]

Transformações no esquema base/pilotis/mirante: narrativas sobre casas contemporâneas brasileiras

Ana Elísia Costa, Marcio Cotrim, Célia Castro Gonsales

Resumo

A noção de tipo sofreu transformações profundas na arquitetura moderna. A associação de um tipo específico ao projeto, como ação inicial, é seguida de uma série de operações que o preservam ou transformam, por meio de deformações e/ou sobreposições de fragmentos de outros tipos. A análise de procedimentos similares na arquitetura contemporânea é o principal objetivo deste artigo. Para tal, são analisadas comparativamente duas casas contemporâneas construídas em São Paulo e que possuem em comum um arranjo tripartido - base/pilotis/prisma-mirante - a Casa Carapicuíba (2003-2008), dos arquitetos Ângelo Bucci e Alvaro Puntoni, e a Casa São Bento do Sapucaí (2011), do Una Arquitetos. Nas duas casas, observa-se que os prismas-mirante que coroam o conjunto são partes fundamentais e reconhecíveis do tipo original. Estreitos, alongados e apoiados em pilotis, os prismas contrastam as grandes aberturas transversais às empenas laterais, revestidas em chapa metálica e com poucas aberturas. As bases, contudo, sofrem deformações a partir de uma matriz tipológica. Na Carapicuíba, a integridade tipológica é tensionada com a disposição perpendicular de dois volumes em níveis diferentes, resultantes do giro em torno de um dos pilares, o que define um arranjo formal complexo, de referências tipológicas pouco explícitas. Na Sapucaí, em um terreno mais generoso, a base é composta por quatro alas com geometrias irregulares organizadas ao redor de pátio. O estudo do uso do esquema tripartido na arquitetura do século XX, bem como nas obras anteriores dos próprios arquitetos, revela o emprego de um esquema tipológico "clássico", onde as bases sofrem deformações (Carapicuíba) ou sobreposições de tipos diferentes (Sapucaí) e os prismas-mirante podem representar “fragmentos de tipo” que, previamente testados, são replicados nestes projetos. Assim, a matriz tipológica original não é adotada como pré-figuração do projeto. O esquema adotado originalmente é entendido como um “ponto de partida” que, na sequência, sofre bifurcações que permitem resultados diversos.

Texto completo

PDF

desenvolvido por